Reunião em Natal discutirá a suspensão da pesca do atum


A suspensão da pesca do atum no Brasil por parte do Governo Federal já tem provocado consequências na economia do Rio Grande do Norte, maior produtor e exportador do Brasil do pescado. Empresas já têm dispensado funcionários em férias coletivas, como é o caso da Produmar, que deu férias a 100 pescadores, e apontam ainda que a suspensão, que no papel é até dia 1º de janeiro, na prática será até o fim do primeiro mês de 2024, uma vez que a pesca do atum depende da posição da lua. Com isso, o pescado só voltaria a chegar a mesa dos potiguares a partir de fevereiro, segundo interlocutores do segmento pesqueiro potiguar.

Nesta terça-feira (19), representantes do Ministério da Pesca, do Meio Ambiente, autoridades e interlocutores do setor pesqueiro vão se reunir em Natal para discutir a medida e os impactos para o segmento. Anualmente, o Brasil precisa cumprir uma “cota” de pesca de atum, cota esta que não pode ser ultrapassada por tratados internacionais.

A medida tem afetado grandes empresas, mas também pequenos empresários, como é o caso do vendedor Josenilson Alves de Moura, 52 anos, que trabalha com atum há 40 anos no Canto do Mangue, nas Rocas. O pescado específico do atum (albacora-bandolim) representa 70% de suas vendas e segundo ele, o prejuízo no faturamento será de pelo menos 50%. O vendedor cita ainda que possui pescado em seu estoque e que há expectativa de receber novo carregamento do que já havia sido pescado, mas alega que haverá reajuste no preço.

Tribuna do Norte


Publicidade

Compartilhe

Veja Mais

Família de trabalhador que morreu após cair de torre eólica no RN é indenizada em quase R$ 1 milhão
RN registra temperatura de 40ºC nesta quarta-feira; confira previsão do tempo
Trabalhadores do Detran RN iniciam paralisação nesta quarta-feira (22)
Mais uma semana de queda do combustível Diesel no RN

Comentários (0)

Deixe seu comentário